FICHA TÉCNICA

ATLÂNTIDA. O GENE
Autor: A. G. Riddle
Ano de Lançamento: 2016
Nº de páginas: 568
Editora: Globo Alt
Compre na Amazon:


SINOPSE

Em uma expedição na costa da Antártida, pesquisadores encontram uma misteriosa estrutura enterrada em um iceberg. A milhares de quilômetros dali, na Indonésia, a Dra. Kate Warner pesquisa a cura para o autismo em crianças através de experiências genéticas. Quando essas crianças são sequestradas, um agente de segurança altamente habilitado, acredita ter encontrado uma ligação entre esses dois fatos e busca desvendar uma conspiração global que ameaça toda a humanidade.


RESENHA – ATLÂNTIDA. O GENE

Prepare-se para entrar em uma grande aventura. Arqueologia, ciência, viagens temporais, espionagem, nazismo, pesquisas genéticas, romance, suspense, conspirações globais, ação, o fim da humanidade e o mito de Atlântida! Ficou sem fôlego? É exatamente essa a proposta do bestseller A.G.Riddle com seu thriller de ficção científica sobre os mistérios por trás dessa civilização perdida. Um “vira páginas” como poucos livros disponíveis no mercado. Mas seria essa obra apenas um fast-food ou apresenta qualidade, e nutrientes, condizentes com a eletrizante narrativa? Que tal mergulhar nesta resenha e descobrir?

“Este é um trabalho abominável, mas essas pessoas estão entregando sua vida para que possamos entender o Sino, para que possamos salvar e purificar a raça humana. Seu sacrifício é necessário. Seu sacrifício será lembrado. Poucos morrem para que muitos possam sobreviver.

Conheça a Dra. Kate Warner. Suas pesquisas em busca de uma cura para o autismo são lendárias. Orfã de um milionário e escondendo dores do passado ela há anos se dedica de corpo e alma à pesquisa genética na Indonésia. Dizem que se deve ter cuidado com o que deseja, pois pode acabar sendo saciado. Por trás do financiamento de suas pesquisas está uma centenária organização misteriosa chamada Immari que possuiu conexões e influência em vários governos ao redor do globo. Seus fundadores tinham uma fixação: descobrir Atlântida, um reino perdido submerso em lendas do passado. Essa organização garante ter descoberto artefatos e ruínas que levam à essa civilização extinta. Mas suas buscas mais profundas esbarram na incompatibilidade genética entre humanos e os que habitavam sua misteriosa cidade. Parece que a pesquisa genética de Kate é a chave que abrirá todas as portas. Mas alguns portais estão lacrados não porque não deveriam ser adentrados, mas porque o que está confinado não deveria sair. O futuro se aproxima, mas não é brilhante como muitos esperam, é tingindo de sangue e fede como a morte.

“Sabemos que o último grande avanço na evolução foi uma mudança nas conexões cerebrais. Se olharmos para o genoma dos seres humanos cem mil anos atrás, há pouca mudança genética, mas sabemos que os genes que mudaram tiveram um impacto gigantesco (…) Essencialmente, o cérebro começou a agir mais como um computador do que como um centro processador de impulsos.”

Conheça David Vale. Um agente secreto de uma organização para-militar centenária chamada Clocktower. Desde os ataques de 11 de Setembro ele acredita que há uma conspiração global que visa desestruturar a paz mundial e acelerar o fim dos tempos, como descrito em vários textos sagrados, através de guerras. Alguns pesquisadores afirmam que houve grandes saltos evolutivos na humanidade sempre que a mesma esteve a beira da extinção. Seja por gelo em suas eras glaciais ou por água no grande dilúvio. David está convencido que a Immari, que financia as pesquisas de Kate, está por trás do intuito de promover, à força, o próximo gargalo evolutivo humano… e ele pretende provar isso na bala! Mas contará com a inteligência e astúcia de Kate quando suas vidas se encontrarem. Juntos vão percorrer o mundo inteiro atrás de respostas e sobrevivência. Ninguém estará preparado para as revelações que virão, passado e presente irão se sobrepor e uma antiga sociedade, ou raça, emergirá do fundo do oceano. E o mundo como conhecemos jamais será o mesmo.

“Muitos anos atrás, descobrimos um perigo claro e presente para a raça humana. Uma ameaça inacreditável. Sabemos há quase cem anos que chegaria um dia em que precisaríamos combater esse inimigo. Cada um de vocês é um soldado no exército que impedirá o apocalipse iminente(…) Temos um objetivo: a sobrevivência da humanidade.”


SENTENÇA

“Atlântida. o Gene” é a primeira parte de uma trilogia que vendeu milhões no mundo inteiro, e é bem fácil entender porque. Misturando fatos reais com ficção, ao melhor estilo Dan Brown, o autor consegue entregar em seus curtos capítulos uma narrativa hipnotizante. Conforme a trama se desenvolve, mais elementos “clássicos” de uma aventura como a sempre encantadora lenda de Atlântida são apresentados ininterruptamente, mas é justo aí que reside uma possível falha na obra. A necessidade de instigar o leitor fazendo uso constante de “viradas de trama” (plottwist), assim como muita informação para deixar a história cada vez mais misteriosa e instigante faz quase a mesma se perder. Como um quadro bonito em que o pintor não sabe a hora de terminar e assinar e continua dando pinceladas que acabam mais borrando a bela obra do que incrementando. Em outras palavras: as vezes “menos é mais”. Há uma pretensão mega-épica que permeia toda a obra que pode não convencer. Porém convenhamos, escrever sobre Atlântida, sem ser repetitivo, não é fácil… mas o autor consegue. Se você busca um livro impecável, sem falhas ou furos e perfeitamente coeso talvez este livro não seja sua praia, mas se deseja passar algumas horas de puro entretenimento pode ir sem medo, porque é inegável que A.G.Riddle sabe contar uma história!

Comentários

Comentários