FICHA TÉCNICA

Melhores Leituras do 1º Semestre | Artur Moraes e Diego RibeiroDUNA #1
Autor: Frank Herbert
Ano de Lançamento: 2017 (2ª edição)
Nº de páginas: 680
Editora Aleph
Compre aqui: Amazon


SINOPSE

A vida do jovem Paul Atreides está prestes a mudar radicalmente. Após a visita de uma mulher misteriosa, ele é obrigado a deixar seu planeta natal para sobreviver ao ambiente árido e severo de Arrakis, o Planeta Deserto. Envolvido numa intrincada teia política e religiosa, Paul divide-se entre as obrigações de herdeiro e seu treinamento nas doutrinas secretas de uma antiga irmandade, que vê nele a esperança de realização de um plano urdido há séculos. Ecos de profecias ancestrais também o cercam entre os nativos de Arrakis. Seria ele o eleito que tornaria viáveis seus sonhos e planos ocultos?


RESENHA – DUNA

Completo, o que não falta parte ou elemento algum dos que o constituem ou que deve ter. Poucas coisas tem a capacidade de estar em sua plenitude e perfeição. Por vezes estamos indo ou vindo, mas raramente estamos no pico de excelência que nos completa. Na literatura não poderia ser diferente. Enquanto muitas obras tentam ser, Duna é! Do pequeno grão de areia contido nas planícies de Arrakis, ao dente do verme que se torna a lâmina de combate. Não há detalhes macro ou micro nesta história que não sejam abordados. Amado por muitos, detestado por poucos e conhecido por todos. Este clássico da ficção científica está de volta…e voltou com tudo!

Duna de Frank Herbert | Resenha | Acervo do Leitor

“Onde nasci, a água caia do céu e corria sobre a terra em rios largos – ela disse. – Havia oceanos de água tão vastos que não era possível ver o outro lado. Não fui treinada em sua hidrodisciplina. Nunca tive de pensar na água dessa maneira. ”

Arrakis, um planeta árido, desértico, uma máquina da natureza acionada pelo Sol. Terra onde o calor seca as lágrimas que não devem ser derramadas. Água significa vida, e por ela se mata. Um planeta em ebulição não só pelos gigantescos vermes que habitam em seu solo prontos para devorar quem ousa se aproximar da fonte de maior valor econômico deste ecossistema, a especiaria “Melange” que promete atributos especiais para quem a ingere que beiram até a premonição, alêm de assustadores olhos azuis intensos para quem se vicia com a mesma, mas em ebulição também devido a um confronto histórico entre os nômades Frenem do deserto, e os vis Harkonnen. Neste cenário desolador a família do Duque Leto chega para governar e administrar uma terra onde os homens estão com seu sangue fervendo, literalmente.

Duna de Frank Herbert | Resenha | Acervo do Leitor“Onde as dunas começavam, talvez a uns cinquenta metros de distância, ao pé de uma praia rochosa, uma curva cinzenta e prateada emergiu do deserto, lançando rios e cascatas de areia e pó por toda parte. Ergueu-se mais alto, transformou-se numa boca gigantesca e ávida. Era um buraco negro e redondo, cujas bordas cintilavam à luz da lua. ”

Duque Leto era governante de Caladan, uma jóia da natureza onde abundavam recursos. Devido a uma manobra política ele e sua família são transportados para Arrakis, onde devem administrar uma terra partida por rixas e pelo sol. Junto com a família vem Paul Atreides, o jovem herdeiro treinado pela misteriosa, e religiosa, Ordem “Bene Gesserit”, da qual sua mãe Lady Jessica faz parte. Também lapidado nas artes da lógica e expansão mental havia muita esperança e por vezes peso demais sobre os ombros deste adolescente. Quando o peso é demais, ou se aguenta ou se quebra. Envolvido em um joguete político e diabólico Paul e sua mãe, da noite para o dia, se vem desolados e abandonados em meio a sorte, e a morte, na natureza implacável das planícies desérticas do planeta. Mas onde pensava encontrar apenas seu fim ele encontrou uma profecia. De que um homem muito especial iria se levantar como o salvador de Arrakis liderando os oprimidos para a liberdade e a glória. Seria ele este jovem prometido há séculos ou profecias podem falhar?

Duna de Frank Herbert | Resenha | Acervo do Leitor“Não é o sangue senhor. Mas toda a água de um homem, em última instância, pertence a sua gente, a sua tribo. É uma necessidade quando se vive perto do Grande Chã. Toda a água é preciosa ali, e o corpo humano tem aproximadamente setenta por cento de seu peso composto por água. O morto, certamente, não precisará mais de água. ”


SENTENÇA

Escrito há décadas atrás Duna não continua sendo “atual”. Por que para isso, ela precisaria ser “datada”, e não é. Esta obra é atemporal. Quando este que vos escreve já tiver partido desta vida, e você que está lendo também, esse livro ainda continuará sendo lido. Com uma das mais completas e perfeitas construções de mundo (Worldbuilding) que já li, Frank Herbert (autor) não só deixou um livro maravilhoso como um “tratado” sobre a escrita fantástica. Temas como ciência, economia, política, geologia e religião são explorados de forma detalhada sem ser enfadonho. Um livro para se ter, recomendar e presentear. Pegue carona nestas páginas eternas e sinta a areia em seus olhos enquanto você está montando em um verme gigante navegando e cruzando estas infindáveis dunas.

Comentários

Comentários