FICHA TÉCNICA

ENRAIZADOS
Autor: Naomi Novik
Ano de Lançamento: 2017
Nº de páginas: 384
Editora: Rocco
Compre na Amazon:


SINOPSE

Autora da aclamada série Temeraire, bestseller do The New York Times, Naomi Novik introduz um mundo novo e ousado, com raízes fincadas no folclore eslavo, em Enraizados, indicado ao Hugo e vencedor do Nebula, entre outros prêmios literários. Na trama, Agnieszka e Kasia são melhores amigas e levam uma vida tranquila no vale. Mas essa tranquilidade cobra seu preço. Afinal, às margens do vilarejo onde moram fica a temida Floresta corrompida, cheia de um poder maligno desconhecido, e para impedir que ele avance para além das fronteiras da Floresta, o povo do vale conta somente com a proteção de um mago frio e ambicioso, que a cada dez anos exige que uma jovem do vilarejo seja entregue para servi-lo. Enquanto a próxima escolha se aproxima, Agnieska teme por sua bela, graciosa e corajosa amiga. Mas pode ser que ela esteja errada. Porque, quando o Dragão chegar, não é Kasia que ele vai escolher.


RESENHA – ENRAIZADOS

Duas realidades. Dois reinos. Dois magos. Duas forças. Dois destinos. Uma aventura. O passado finca raízes em nossas vidas, deixa marcas, nos engessa e pode nos comprimir. Mas o que a história e a terra querem confinar, a Magia pode libertar. Essa é uma fábula sobre o poder transformador da convicção daqueles que não se deixam abater e nem seguem os rumos pré-destinados da vida. Uma história que abocanhou e concorreu a diversos prêmios literários, mas afinal, o que ela tem de tão especial?

 “A Floresta estrangularia todas as coisas e as arrastaria para baixo de suas raízes.”

Era uma vez dois Reinos, Rosya e Polnya, em paz e uma Floresta amaldiçoada. Seus dois regentes viviam em harmonia e unidos no combate contra a expansão de uma estranha região florestal que jogava sua “sombra” sobre as cidades corrompendo a alma de todos aqueles que a tocavam. Havia algo ameaçador e negro em suas raízes, e ambos os reinados contavam com valentes cavaleiros e poderosos magos para refrear o mal. Mas um dia a paz terminou. Quando o príncipe de Rosya foi visitar diplomaticamente Polnya, acabou se apaixonando pela mulher do Rei. Essa atração pecaminosa acabou culminando em uma desastrosa traição. Ambos fugiram para a Floresta amaldiçoada para viverem seu amor livremente, nem que fosse nas garras do mal. O Rei nunca mais viu sua esposa, e os Reinos nunca mais viram a paz. Enquanto homem mata homem, a Floresta avança. Ao longo dos anos toda a esperança de combate ao mal recaiu sobre os antigos ombros de um poderoso mago chamado Dragão, mas ele sempre cobrou um preço muito alto por isso. De dez em dez anos ele desce até o vale e escolhe uma jovem donzela para viver com ele. Mas, o que ele faz com elas durante uma década em sua solitária torre branca?

“Mas havia algo anormal no seu rosto: um ninho de corvo formado por rugas perto dos olhos, como se os anos não conseguissem alcança-lo, mas o uso, sim. Mesmo assim não era um rosto feio, mas a frieza o tornava desagradável: tudo nele dizia ‘Não sou um de vocês e também não quero ser.” 

Chegou a hora do Dragão escolher mais uma inocente camponesa. Tudo leva a crer que a afortunada será Kasia, a jóia dos olhos do vale. Todos estão com seus corações apertados, pois, após dez anos de confinamento, as escolhidas nunca retornam iguais muito menos desejando morar nas vilas. O mago toca o espírito e rouba sua juventude dizem. Mas de todos os angustiados moradores ninguém está mais que Agnieszka, a melhor amiga de Kasia. Ela sabe que a dor da separação é inevitável mas não se conforma. O que a vida trouxe o Dragão irá levar. O dia chega e como a brisa da manhã surge o enigmático mago. Mas de forma resignada ele não leva a “estrela” do vale, e sim a simplória amiga. Agora Agnieszka terá que morar por dez anos em uma torre e saciar todos os desejos desse feiticeiro vassalo do rei. Mas que desejos são esses afinal? Seriam sexuais, companhia ou ele procura uma aprendiz? O que acontece na torre banca fica na torre. Pelo menos sempre foi assim… até hoje!

“Os Reis magos trouxeram o idioma do oeste mágico com eles, das terras estéreis da parte mais distante de Rosya, quando povoaram este vale. E aí a Floresta se derramou sobre eles, destruiu suas fortalezas e deixou seus campos desertos.”


SENTENÇA

Bebendo na fonte de fábulas polonesas e histórias contadas em sua infância, a prestigiada autora Naomi Novik traz uma aventura repleta de magia, em seu sentido mais puro. Inegável a habilidade dela em contar uma história, mas não conseguiu me convencer ou me conectar aos personagens. Não por serem rasos, mas por serem desinteressantes. Com uma pegada YA (jovem adulto) e uma narrativa levemente apelativa para o público feminino o livro não me ganhou. Elementos interessantes e uma boa trama mas com uma narrativa arrastada e por vezes boba demais. Respondendo a pergunta que fiz no início desta resenha: o que tem de tão especial esse livro? Nada. Definitivamente essa obra não fincou raízes em meu coração.

Comentários

Comentários