FICHA TÉCNICA

O DESFILADEIRO DO MEDO
Autor: Clive Barker
Ano de Lançamento: 2003
Nº de páginas: 700
Editora Bertrand


SINOPSE

O Desfiladeiro do Medo é um livro sem paralelo: uma descrição implacável e irresistível de Hollywood e seus demônios, contada com um estilo cru e o poder narrativo que transformaram os livros e filmes de Clive Barker em fenômenos mundiais. Hollywood transformou Todd Pickett em um astro. O tempo, porém, está lhe cobrando um preço por isso. Ele não tem mais o rosto perfeito do ano anterior. Após uma cirurgia malfeita, Todd precisa de um lugar onde possa esconder-se durante algum tempo, enquanto as cicatrizes desaparecem. Querendo ser momentaneamente esquecido instala-se em uma mansão no Coldheart Canyon, um recanto da cidade tão secreto, que sequer consta nos mapas. Tammy Lauper, presidente de seu fã-clube, chega à cidade de Los Angeles decidida a solucionar o mistério do desaparecimento de Todd. Lá chegando, descobre segredos a respeito do Coldheart Canyon: os espíritos da “Lista A” dos astros e estrelas falecidos de Hollywood que vieram participar de orgias no canyon.


RESENHA – Neve e Cinzas

Porque somos tão fascinados pelo horror? Porque sentir medo pode viciar? Acredito que precisamos de nossa dose, segura, de adrenalina para nos tirar do estado letárgico que muitas vezes o cotidiano nos impõe. Um frio na barriga, a necessidade do choque em nossas terminações nervosas que uma só uma cena chocante ou violenta nos proporciona. O terror que assombra nossos corações podem possuir muitas faces, mas com certeza o autor Clive Barker conhece todas elas.

O Desfiladeiro do Medo

“O desfiladeiro está cheio de espíritos.
– Eu não acredito em espíritos.
– Você não tem que acreditar – retrucou ela – Isso não tem nada a ver com acreditar ou não. Eles estão aqui. “

O livro começa por volta de 1920 na Romênia quando a devassa atriz Katya Lupi, junto com seu amante Willem Zeffer, resolve visitar seus parentes em um vilarejo miserável. Durante a viagem Willem visita uma antiga fortaleza que serve de moradia para uma ordem religiosa. Negociando com o frei Sandru a compra de relíquias para presentear sua amada, ele acaba descobrindo uma antiga sala nas profundezas desta construção que o fascina. O salão é um grande mosaico de ladrilhos pintados a mão retratando uma misteriosa e obscena caçada. Negociando com o frei alcoólatra e falido, ele transporta toda a “obra” para sua mansão nos EUA. Seria o presente perfeito, caso não fosse um portal para o inferno.

O Desfiladeiro do Medo“Eles estavam mexendo com mistérios que nem mesmo frei Sandru, que vendera as peças a Zeffer, compreendeu. Mas a carne ansiosa deles havia descoberto o que o intelecto de metafísicos não tinha conseguido entender. “

A história salta 80 anos no tempo para nos apresentar Todd Pickett, uma decadente estrela de Hollywood. Sentindo o peso da idade em suas rugas, ele se submete a uma cirurgia plástica mal sucedida. Desfigurado resolve se esconder da sociedade e mídia. Sua agente o hospeda na mansão abandonada que outrora foi o palácio dos prazeres de Katya Lupi e sua sala infernal. Sem suspeitar, sua breve estadia se tornará uma jornada inesquecível de prazer, dor, agonia.

O Desfiladeiro do Medo“Na verdade, a despeito de toda linguagem bombástica e brutalidade de Katya, era o medo que lhe configurava a vida. Medo de viver, medo de morrer. Medo de ficar, medo de ir embora. Medo de lembrar-se e, sim, medo de esquecer. “

Morte, tortura, mutilações, masoquismo, sadomasoquismo, bestialidade, necrofilia, pedofilia, incesto, sexo entre mortos e animais e todas as possíveis deturpações da mente humana. Violento, pesado e cru. Clive Barker revira todas as camadas da devassidão e podridão humana até nos constranger e perturbar.


SENTENÇA

Divido este livro em “duas partes”. Na primeira metade temos o frescor e o ápice da escrita deste aclamado autor. Tudo que há de profano e assustador revelado de forma pornográfica nas pegajosas páginas deste tomo. Porem, na “minha” segunda parte, vi a história se perder um pouco, ficar muito prolíxica e repetitiva. O escritor esticando, desnecessariamente, ao máximo sua narrativa. Clive Barker sabe revirar seu estômago como ninguém, e quando ele se limita a destilar seu veneno é quase “encantador”. Este medonho livro encontra-se fora de circulação faz um bom tempo. Como um antigo manuscrito macabro proibido pela Igreja Católica só sendo  possível encontra-lo em certos Sebos. Acredito que é mais sensato que permaneça assim… ou não? Leia, se enoje e tire suas conclusões.


Comentários

Comentários