FICHA TÉCNICA

O Evangelho de LokiO EVANGELHO DE LOKI
Autora: Joanne M. Harris
Ano de Lançamento: 2016
Nº de páginas: 336
Editora: Bertrand
Compre na Amazon: http://amzn.to/2hzuMBX


SINOPSE

Com sua notória reputação para trapaças e enganações, Loki é um deus nórdico sem igual. Nascido demônio, é visto com profundas suspeitas por seus companheiros deuses, que jamais o aceitarão como um deles; por conta disso, Loki promete se vingar. Mas enquanto o deus-demônio planeja a derrocada de Asgard e a humilhação dos seus opressores, poderes maiores conspiram contra os deuses e uma batalha é arquitetada para mudar o destino dos Mundos. Do recrutamento por Odin do reino do Caos, através dos anos como solucionador de problemas de Asgard, até a perda do seu posto no desenrolar para o Ragnarök, este é o Evangelho de Loki, a sua longa e curiosa versão da história — e se alguém disser o contrário, não acredite!


RESENHA – O EVANGELHO DE LOKI

Descendente do caos, pai das mentiras, deus do fogo, das trapaças e travessuras, filho de Laufey e Farbant. Apesar de tantos nomes há um que se sobressai sobre todos os outros… seu nome é Loki! Com tais títulos fica fácil tirar suas próprias conclusões e defini-lo como um vilão, entretanto, chegou a vez do deus trapaceiro apresentar sua versão dos fatos e tentar equilibrar a balança a seu favor.

O Evangelho de Loki

“Quem disse que nomes não podem machucar ou estava bêbado ou era um idiota. Todas as palavras possuem poder, é claro, mas nomes são as mais potentes de todas, por isso os deuses tinham tantos.”

Já no começo de sua estadia em Asgard, o deus das trapaças é recebido com hostilidade e desconfiança entre os demais deuses. Tais sentimentos são mutuamente compartilhados por ambas as partes e “Aquele que vós fala” não perde tempo a fazer uma avaliação sarcástica e irônica de cada um dos asgardianos, sobre como são pomposos e superestimados. A partir desta atitude sua história com os deuses começa e assim passamos a conhecer Loki por completo, seu modo de pensar, de agir, seu dom para bolar estratagemas, travessuras e mentiras, deixando evidente em todo o livro sua incrível aptidão para colocar os deuses em enrascadas, e tal habilidade só é superada por sua astúcia em tirar os deuses das situações em que ele mesmo os colocou.

O Evangelho de Loki

“As pessoas tendem culpar o Caos sempre que alguma coisa dá errado, mas na verdade, na maioria das vezes, o Caos não precisa intervir. O Povo não precisa de nenhuma ajuda quando se trata de massacrar uns aos outros. O que vier à sua cabeça, eles fizeram – assassinato, estupro, sacrifício infantil –, o tempo todo culpando o céu sem luz, mesmo quando a escuridão já estava em seus corações.”

Acompanhando suas aventuras com os asgardianos observamos o ódio crescente e a forma como é alimentado a cada nova situação, e desta maneira toda a imagem de vilão construída até hoje se esvai, dando espaço para uma nova visão sobre Loki, nos fazendo refletir sobre de quem realmente é a culpa pelo deus das trapaças fazer tudo o que fez e se realmente os deuses são tão bons e honestos como pensamos. Em quem será creditada a culpa pelo fim dos tempos, a culpa pelo dia do juízo final, o dia em que o Lobo será solto e o Ragnarok começará?

Melhor do que uma história sobre o deus trapaceiro, somente uma história contada pelo próprio, que apesar de sua personalidade por vezes cruel e constantemente irônica também acaba revelando seu lado “humano”, ao ponto que começamos a questionar se realmente os outros deuses não tiveram sua parte de culpa na história.

O Evangelho de Loki“E a melhor coisa disso tudo? Eles causaram dor a si mesmos. Tudo que fiz foi contar a verdade e deixar suas naturezas fazerem o resto. Ganancia, ódio, ciúmes – Todas as emoções corruptas com as quais Odin me infectara -, retornando ao lar como pombos a um poleiro.”


SENTENÇA

Quando passamos a conhecer a outra versão da história, e tudo que nosso protagonista passou, é possível ter uma visão diferente para desmantelar toda a concepção que temos sobre os Deuses de Asgard, e enfim, talvez descobrir toda a verdade por trás da história de Loki, O Deus Trapaceiro. De maneira divertida e fluida Joanne M. Harris forja um laço entre o leitor e narrador e a maneira que somos persuadidos pelo modo de pensar e agir do nosso protagonista certamente é o ponto alto dessa obra. Ao final, só posso concluir que tanto para os já conhecedores do assunto quanto para quem ainda não conhece, sem dúvidas, está perdendo tempo para ler esse excelente obra.

Comentários

Comentários