FICHA TÉCNICA

Ratos e HomensRATOS E HOMENS
Autor: John Steinbeck
Ano de Lançamento: 2005
Nº de páginas: 108
Editora: L&PM Pocket
Compre na Amazon: Clique Aqui


SINOPSE

Ratos e homens, publicado originalmente em 1937, é um dos mais belos textos de John Steinbeck (1902-1968) – um dos maiores romancistas do século XX – e até hoje um dos livros mais lidos do autor.
George e Lennie são dois amigos bem diferentes entre si. George é baixo e franzino, porém astuto, e Lennie é grandalhão, uma verdadeira fortaleza humana, mas com a inteligência de uma criança. Só o que os une é a amizade e a posição de marginalizados pelo sistema, o fato de serem homens sem nada na vida, sequer família, que trabalham fazendo bicos em fazendas da Califórnia durante a recessão econômica americana da década de 30. Ganham pouco mais do que comida e moradia. No caminho, encontram outros sujeitos pobres e explorados, mas também situações que colocam em risco a sua miserável e humilde existência.
Em Ratos e homens, Steinbeck levou à maestria sua capacidade de compor personagens tão cativantes quanto realistas e de, ao contar uma história específica, falar de sentimentos comuns a todos seres humanos, como a solidão e a ânsia por uma vida digna.

RESENHA – A FLORESTA SOMBRIA

O que geram nossos laços de amizade? Afinidades ou necessidades? Dizem que independente dos preceitos, para se começar uma amizade de verdade, há sempre a necessidade de crises nos relacionamentos, não para afastar os amigos, mas sim para seleciona-los. Nada como as privações e dores da vida para testar com fogo a realidade de uma união. Essa pequena obra clássica é sobre sonhos despedaçados, lamento e a esperança que só se contra em um ombro amigo. Sobre a amizade simbiótica entre dois caipiras que precisam desesperadamente um do outro para encontrar seu lugar ao sol, mesmo que este só faça queimar seus ossos e alma.

“A gente precisa de alguém… pra ouvi a gente(…) Qualquer pessoa fica loca se não tivé ninguém. Num faiz diferença quem tá co’a gente, só precisa tá junto. Vô dizê pr’ocê que a gente se sente tão sozinho que até fica doente.”

George Milton e Lennie Small são inseparáveis. George cérebro, Lennie coração. George astúcia, Lennie inocência. George destreza, Lennie músculos. George inteligência, Lennie força. Como uma pessoa dividida ao nascer eles se completam. Dois capiras tentando a vida no difícil período após a Grande Depressão americana de 1929. Colecionando “bicos” em trabalho em fazendas, assim como confusões, esses carismáticos sofredores possuem seus pés machucados no chão, mas seus olhos voltados para o céu. Visando apenas juntar dinheiro para comprar um pequeno pedaço de terra para cultivo e descanso, terão primeiro que suportar as mazelas impostas por uma América miserável, preconceituosa e opressora.
Ratos e Homens“Acho que todo mundo nessa porcaria de terra tem medo um do otro. (…) Não tinha sobrado personalidade, nem ego… nada para suscitar compaixão ou desprezo.”

George e Lennie estão fugindo do seu último emprego. É tempo de recomeçar. Nada como os ares de um novo trabalho em uma fazenda que não conhece o passado “negro” dos dois. Mas certas coisas não mudam. Endereço novo, problemas antigos. O gigante Lennie com sua simplicidade, limitação intelectual depende do pequeno George para sobreviver, e vice versa. Essa profunda amizade não é vista com bons olhos. Um patrão agressivo e sua esposa infiel alem de trabalhadores desconfiados podem não ser seus únicos problemas. Dizem que quando algo tem que dar errado, ele dará. As suas estadias na nova fazenda podem ser mais curtas e desgastantes do que imaginavam. Em uma terra seca de tudo, onde o filho chora e a mãe não escuta, talvez ter um ao outro não seja o bastante para ver o sol nascer um dia a mais.

Ratos e Homens“Curley casô com uma… vagabunda. – Não é o primeiro – George disse. – Muita gente já fez isso.”


SENTENÇA

Essa pequena obra clássica escrita pelo vencedor do “Prêmio Nobel” John Steinbeck transmite como poucos a sensação de frustração que assola todos os corações, em diferentes graus, e a necessidade de amizades significativas em nossa vida. Através de sua contundente escrita consegue em poucas páginas nos  envolver profundamente a ponto de torcer, literalmente, por essa carismática dupla. Destilando toda a sua habilidade como contador de histórias, Steinbeck (autor) através de um retrato da desolada economia dos Estados Unidos da década de 30, consegue provar que uma obra para ser profunda e marcante não precisa ser extensa. Um drama curto e irresistível para novos e antigos leitores. Dica de amigo. Pode confiar.

Comentários

Comentários