GIGANTES ADORMECIDOS (Themis Files #1)
Autor: Sylvain Neuvel
Ano de Lançamento (BR): 2016
Nº de Páginas: 328
Editora Suma de Letras
**********
SINOPSE

Rose passeia de bicicleta pelo bosque perto de casa, quando de repente é engolida por uma cratera no chão. A cena intriga os bombeiros que chegam ao local para resgatá-la: uma menina de onze anos caída na palma de uma gigantesca mão de ferro. Dezessete anos depois, Rose é phD em física e a nova responsável por estudar o artefato que encontrou ainda criança. O objeto permanece um mistério, assim como os painéis que cercavam a câmara onde foi deixado. A datação por carbono desafia todas as convenções da ciência e da antropologia, e qualquer teoria razoável é rapidamente descartada. Quando outras partes do enorme corpo começam a surgir em diversos lugares do mundo, a dra. Rose Franklin reúne uma equipe para recuperá-las e montar o que parece ser um robô alienígena gigante quase tão antigo quanto a raça humana. Mas, uma vez montado o quebra-cabeças, ele se transformará em um instrumento para promover a paz ou causar destruição em massa?

**********
RESENHA

A história começa com nossa protagonista Rose Franklin, ainda uma menina de 11 anos, encontrando um artefato incrível em seu quintal, uma mão robótica gigante de 6,9 metros! Confesso que como fã dos antigos desenhos dos “Transformers” já me senti totalmente atraído logo no prólogo. Mas a obra não tem ligação alguma com essa franquia, pelo contrário, é muito mais misteriosa e intrigante do que a vida dos Decepticons. Ninguém consegue descobrir como a mão foi parar naquela região, nem o que significa os estranhos e brilhantes símbolos escritos nas paredes do misterioso buraco onde ela se encontra. Já no primeiro capítulo a história da um pulo de 17 anos, e agora Rose é uma física renomada encarregada de investigar a mão que ela acidentalmente havia descoberto em sua infância. De onde ela veio? Do que ela é feita? Qual seu uso? O artefato possui uma composição impossível para os padrões terrestres no que tange ao seu peso e material, e nessa cruzada a história realmente começa.

“Toda a grande religião terá que se ajustar a esta revelação. Seja lá qual for o deus em que você acredita, não estamos falando apenas de seres humanos. Ele, ou Ela, tem que ser o deus de todo o universo.”

Uma equipe é formada sob a supervisão de Rose e tem Kara Resnik, uma piloto de helicóptero do exército americano e Vincent Couture, um linguista francês-canadense encarregado de descodificar os símbolos encontrados juntos com a mão, seus principais membros. O que começa com o trabalho metódico sobre uma única peça se transforma em uma corrida internacional pela descoberta e propriedade de outras partes que começam a aparecer em todo globo terrestre. Os nossos protagonistas se veem envolvidos em um perigoso cenário geopolítico onde descobrem ser apenas “marionetes” em um jogo controlado por figuras sombrias que planejam usar essa possível tecnologia para fins não tão claros. Ação, política, ficção, mistério e senso de humor na dose certa.

“Não tornaria as coisas mais fáceis para nós dois, especialmente para você, se pudéssemos pular a parte desta conversa onde você me considera um completo idiota?”

A obra é um thriller de tirar o fôlego do começo até a última página, mas não deixa de abordar temas e dilemas éticos com uma precisão cirúrgica. Quem é a verdadeira ameaça a Terra? Seriam deuses esquecidos, alienígenas ou o próprio ser humano? O autor evita contar sua história de maneira convencional, ele usa o tempo todo uma combinação de páginas de diários, logs. de missões, relatórios oficiais, artigos de notícias na imprensa e principalmente transcrições de entrevistas com os protagonistas. Nessa narrativa intrincada e diferente podemos perceber toda sua genialidade. Os diálogos contidos nas entrevistas são claros, convincentes, por vezes angustiantes e cheios de ironia, o que abrilhanta ainda mais a história. Esses interrogatórios são feitos por um frio e enigmático quarto protagonista, não sabemos seu nome nem para quem trabalha, o que aumenta ainda mais o mistério. Afinal, o(a) robô faz parte de uma antiga tecnologia humana esquecida pelas eras ou seria claramente uma tecnologia alienígena? Talvez apenas um presente dos deuses, mas afinal, não eram os deuses astronautas?

“A família tem uma maneira de trazer à tona o pior das pessoas.”

Não espere batalhas intergalácticas ou uma história densa e complicada como alguns livros de ficção científica podem ser. Espere apenas uma tonelada de diversão! Uma leitura extremamente leve e viciante sem deixar a qualidade de lado. “Gigantes Adormecidos” é o livro de estreia deste promissor autor e faz parte de uma série chamada “Arquivos Têmis”. Impossível acabar de ler e não olhar para as estrelas e ficar se perguntando quando sairá o próximo volume. Pois acredite, os “gigantes” com certeza ainda irão acordar!

GOSTOU DA RESENHA? JÁ LEU O LIVRO? O QUE ACHOU? DEIXE NOS COMENTÁRIOS!

Comentários

Comentários